segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Cores e caras

O carnaval é uma festa popular, no Egito antigo era comemoração dedicada a Ísis, para os hebreus a festa da sorte e para os gregos e romanos os bacanais dedicado ao deus Baco. O carnaval é uma festa que ocorre quarenta e sete dias antes da páscoa e o Brasil cedia a maior festa carnavalesca do  mundo. Na Índia, o inicio da primavera é comemorado com o festival das cores, também conhecido como Holi fest, onde as pessoas jogam umas nas outras pó colorido. Aqui a escola de inglês promoveu algo parecido e ficou lindo.

Wizard Sunset Colors

Na minha cidade natal as festividades começam com um cortejo que percorre a as ruas ainda no inicio da madrugada, cantando "viva Zé Pereira, viva Juvenal, viva Zé Pereira pra brincar o carnaval", impossível algum morador de lá não saber disso. Nos dias que se segue é comum as pessoas serem atingida por porções de farinha de trigo ou maisena, os estoques das mercearias então acabam cedo.
Há tempos, por lá também tinha suas tradições, não sei hoje, mas na rua da lagoa tinha um senhor de nome Arlindo, que durante todo o ano colhia os materiais e confeccionava as fantasias dos índios, e nos dias de carnaval era a atração da cidade, entre as índia,s havia uma moça, tão bela que chamava a atenção de todos, acho que era uma de suas filhas. Também tem as charangas de grupos de jovens que se reunião com fantasias diferentes a cada dia.
Naqueles tempos, não se via cordões de isolamentos, brigas,carros de som, blocos estilizados, nem esse negócio todo que virou lucro para alguns como nos dias atuais, era uma comemoração só, não havia essa coisa de celebrar deuses, a não ser a alegria personificada.
E nas voltas que o mundo dá, seja com o pó branco da farinha de trigo seja com o pó colorido, ou mesmo sem eles, mas que a alegria contagie o coração das pessoas de lá e de cá pra que a festividade seja uma celebração á vida.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Paisagens

Muitas paisagens habitam meu ser, gosto das caminhadas mesmo em dias nublados, de ver pessoas, e levar meus olhos vagabundos pelas paisagens da cidade. Hoje foi dia de retomar as aulas de línguas, fui a pé, (gosto tanto disso), logo ali junto ao poste um fusca vermelho me chamou a atenção, e a moça linda que tava lá fazia panfletagem rifando-o. Lembrei do nosso primeiro fusca, era branco e quando compramos já era um adolescente, esse da moça apesar de ser lindo e bem conservado, já é um idoso.
O nosso teve tantas histórias, como no dia que esquecemos de abastecer, e ficamos na estrada da Barra, ou quando ele tava com tanta ferrugem que quando chovia a gente levantava os pés pra não se molhar. Ele se chamava Júnior. E sempre havia alguém interessado em comprá-lo.
Mesmo assim, a gente cuidava dele como podia, vez por outra ele dava um piti e não saía do lugar, mas a gente colocava uma musica meio doida e curtia os seus solavancos. No dia que nos desfizemos dele senti falta, não tinha foto pra lembrar, só as histórias lindas e engraçadas que ele nos proporcionou. Tudo bem que não sinto falta dos solavancos, do desconforto e dos buracos que a ferrugem causou em seu piso, mas sempre foi muito divertido estar com ele. Aquele fusca vermelho da moça me fez lembrar que não guardei nenhuma lembrancinha física dele, só as imagens emocionais.
E nas voltas que o mundo dá, cada um tem sua paixão por algo que deixou saudade. Soube que tem um grupo de colecionadores que vai se encontrar esses dias por aqui, acho que vou ver, por quê saudade quando é boa, se chama de lembrança, paisagens da alma.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Um dia

A infância é a fase da vida mais importante de todas, pois é onde se forma o alicerce para o crescimento, é quando a gente tem as ferramentas necessárias para segui em frente. Wallon e Winnecott trabalharam ativamente com crianças abandonadas, mal amadas e descobriu a negatividade dessa falta de amor na vida adulta. A criança bem amada é bem resolvida, sabe de suas potencialidades.
Por ter sido uma criança amada, aprendi a amar, por ter somente o necessário, aprendi a dar o devido valor as conquistas individuais e coletivas, mas, sobretudo, as conquistas intimas imperceptíveis aos olhos dos outros, por ter sido criada por uma mulher forte, independente e decidida, aprendi com o exemplo.

E nas voltas que o mundo dá, um dia a gente aprende, não com o tempo, mas olhando para frene e vendo os frutos que se apresentam em nossas vidas. Que aquele pensador sabe o que diz, ao afirmar que toda filha leva a mãe dentro dela, e que os exemplos falam mais que palavras. E ainda, não menos importante que amor é uma conquista, uma escolha, enquanto que o respeito é uma obrigação.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Arte

Dizem que a arte salva os humanos da loucura. Logo eu que nunca entendi desse assunto, doida de pedra então. A Dila e o Silvio juntos montaram um atelier de arte, pintura, croquis e desenhos. O lugar ficou um encanto a parte.




A gente se encanta com essas lindezas, e fica feliz com o empreendimento de amigos artistas. E nas voltas que o mundo dá, acho que vou ter umas aulas, quem sabe deixo de ser tão primária na arte dos pincéis.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Deusa

A Bastet é a deusa gata da mitologia egípcia que tinha o poder dos eclipses, em seu templo os gatos vivam tranquilamente e depois eram mumificados. Assim como as vacas são sagradas na Índia. Esses dias Mirele andou por lá e trouxe uma deusa pra gente, agora a Suzana nossa Susy tem uma deusa pra chamar de sua. Uma vez o Rubem Alves falou que o deus das flores são flores, então a deusa das gatas não poderia ser outra se não uma gata.

Bastet do Egito

A Nefertiti, cujo nome significa ‘a mais bela chegou’, foi uma rainha egípcia da XVIII dinastia que se tornou notável por ser a esposa de Akhenaton, ela também veio.

Nefertiti A bela
E o dia continuou frio mesmo sendo verão, a chuva chegou aliviando a secura dos últimos meses, e para comemorar. Nada melhor que um vinho.


E nas voltas que o mundo dá, todo dia é um motivo para celebrar a vida e as coisinhas gostosas que acontecem entre o nascer e o por do sol. Então Bastet vamos eclipsiar um tiquinho. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Tempestades

O Gibran disse que temos que aprender a amar as tempestades. Ontem o dia começou com um calor insuportável, o céu ficou da cor dos teus olhos no final da tarde e minha caminhada foi interrompida com uma linda chuva de verão. Em dias de racionamento a chuva é tão bem vinda quanto o maná no deserto de Moisés.

Chuva

Lembrei dos dias de chuva em que os pingos brincavam de se juntar na no vidro da janela, as gotinhas menores se unido e se tornando maiores e escorrendo mundo a fora. Vejo as plantas molhadas e a festa que os cachorros fazem correndo atrás das formigas de asas. E nas voltas que o mundo dá, assim como Gibran aprendi a amar os dias ensolarados, mas, sobretudo os dias de tempestades, chuva sua linda, pode chegar mais, fique a vontade.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Na dúvida abrace

Dizem que um abraço cura dores, eu creio, beijo de mãe cura arranhões, sorrisos sinceros confortam. A cura das dores da alma e até do corpo sempre são aliviadas com esses remédios, é bom ter por perto. E quando não tiver nada pra dizer, abrace.

Fonte: Google
E nas voltas que o mundo dá, o universo em um abraço, sempre que precisar quando a dor chegar, o coração apertar eu cederei o meu colo esteja perto ou longe. É como se toda a calma do mundo viesse até mim. Eu tempestade deixarei minhas trovoadas para ser a brisa que você precisar.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Mãos

No filme a família Bélier (indicação do Evaldo Brasil), conta a história de uma família de surdos-mudos que tem uma integrante com a voz linda e vai para Paris fazer um teste de canto. (não fui á Paris ainda, mas me contentei com um vinho chileno). É uma história de descobertas de sentimentos, de entrega e de emoções gritantes, mas as mãos, ah, são com elas que se fala a língua que os surdos compreendem, e no final a moça linda canta ao mesmo tempo que traduz para os pais na platéia.


Um brinde á vida. By Sinara

Foram com as mãos que Jesus abençoaram seus discípulos, com elas se fazem curas até hoje com a imposição, mas também são as mãos o instrumento de prazer, são as mãos que curam com bisturis, elas fazem leis, superam limites e se comunicam, são com elas que se toca o instrumento mais perfeito da criação, o corpo. São com elas que as tintas e cores do imaginário se transforma em arte, poesia como as de Florbela, e pinturas como as do Van Gohg. São elas que abrem as portas e janelas pra o sol entrar, e elas não precisam ser jovens para demonstrar afeto. As mãos mais linda que conheci foram as suas.
E nas voltas que o mundo dá, o filme mostra que amar as vezes implica em abandonar o casulo, com as mãos se acena para o que ficou pra trás, e recebe o novo que vem pela frente. E da série pra sempre, as suas mãos nas minhas.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Corte

A palavra cortar remete a poda, a ruptura ou até mesmo mudança. Coco Chanel dizia que uma mulher quando quer cortar ou mudar os cabelos ela está querendo mudar de vida. A longa cabeleira para muitas mulheres é como se fosse a sua afirmação como feminina, como mulher e diferente. Uma das maiores violações femininas é quando se é forçada a cortar ou perder os cabelos, existe algo de sagrado nas madeixas. Por isso a primeira coisa a mudar no castigo de Atena para Medusa foram seus cabelos transformados em cobras. Um terror a parte. No Rio de Janeiro um dos castigos para as mulheres que traem o tráfico ou as regras impostas na comunidade, acabam tendo suas cabeças raspadas como uma punição.
Essa relação de amor e ódio aos cabelos só as meninas compreendem de fato. Algumas mudam a cor, o corte, e vamos combinar? Nada mais elegante que um cabelo bem cortado e bem tratado, tem gente que corta para doar, assim quem perdeu por causa de doenças pode ter outro que fora doado, uma prova de amor ao próximo em tempos de ódio. Eu menina, tive os cabelos longos, até que um dia alguém convenceu minha mãe que cabelos longos consumiam os nutrientes e por isso, eu era tão magrinha (mentira grandiosa), mas minha mãe acreditou e passei um tempão com as madeixas podadas.
E nas voltas que o mundo dá, folclores a parte, nós podemos hoje, mudar a cor, o corte, o formato, enrolar, estirar e fazer o que bem entender o nome disso é liberdade, e se quiser mudar de vida, a mudança no visual já é um começo feliz. Bom início de semana pessoas.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Fumacinhas engarrafadas

Existem lugares e paisagens que moram em mim, alguns aromas fazem parte daquele conjunto de potinhos de lembranças embaladas e guardadas em lugar seguro, mas as vezes eles saem por aí pra brincar, ando meio descuidada (acho que não estou tampando meus potes direito). Os cafés que foram tomados, as companhias e as risadas são sempre uma fumaça que evapora da xícara. Tem aqueles acompanhados de aflição com pernas que não param quietas, aqueles que esquentam as mãos em dias muito frios, as risadas com as amigas, são tantas que se vão nas fumacinhas engarrafadas. 


Hoje cedo depois da caminhada, pegamos as crias e fomos tomar café fora. O lugar é agradável e os meninos estranharam comer fora logo cedo, mas vamos combinar que o dia tá aí para ser vivido, vamos colher todos os frutos dele. E nas voltas que o mundo dá, um café seja ele quente ou geladinho de acordo com o dia, acompanhada ou sozinha, é uma das minhas alegrias preferidas e hoje resolvi compartilhar e criar novas fumacinhas com aroma de café para serem engarrafadas. Bom dia povo lindo.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Roma negra

A rainha do mar tem muitos nomes, Dandara, Marabô, Ogum, Sobá, Janaína e Iemanjá entre tantos outros, hoje é o dia dela, o mar está em festa, e as comemorações são muitas. Dizem que ela é vaidosa, mas se for também é organizada e gosta do ambiente natural de seus filhos peixes bem limpo, pena que os humanos não pensem assim, depois das festividades o mar fica tão poluído que a deusa das águas manda de volta as oferendas que não foram de seu agrado.

Iemanjá

Dandara

E nas voltas que o mundo dá, será que os humanos vão entender um dia que a forma da mãe das águas ser reverenciada é a manutenção de seu habitat limpo? Um pedido pra hoje. Limpe os corações dos humanos com suas águas salgadas e sagradas lindeza do mar. Quem sabe assim o mundo melhora um tiquinho mais.

Ela mora no mar, ela brinca na areia, no balanço das ondas, a paz ela semeia𝅘𝅥𝅮𝅘𝅥𝅯𝅘𝅥𝅰

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Tolerar

Todo mundo sabe que sou fã da Frida, uma mulher feminista que fez de seu sofrimento arte, ao mesmo tempo que passou a viver do seu modo para minorar as auguras da vida. Uma de suas frases preferidas do seu diário era: "Onde não puderes amar, não te demores". Hoje é preciso mais do que nunca tolerar e respeitar a individualidade de cada pessoa, mas como dizem por aí, não somos obrigadas a nada que não nos agrade.
Há pessoas que precisamos entender e respeitar, sim todas, mas nem todas precisamos tolerar, é preciso se afastar quando não se pode fazer coisas boas, acho que isso também é uma forma de amar. E nas voltas que o mundo dá, a maturidade faz a gente entender o que deve ou não permanecer.

Dos deuses


Esses dias fomos a o restaurante na vila do bosque, no cardápio havia a sobremesa ambrosia, o Mateus ficou todo animado achando que era a comida da imortalidade dos deuses, e eu não fiz comentários, logo ele descobriu que era apenas um doce de leite com ovos e ficou meio decepcionado.
Segundo a Wikipédia e a história conta-se que, quando os deuses o ofereciam a algum humano, este, ao experimentá-lo, sentia uma sensação de extrema felicidade. O nome Ambrósio, que vem da mesma raiz, significa divino e imortal. Conforme a mitologia grega, esse manjar era tão poderoso ao ponto de ressuscitar qualquer um, bastava apenas que alguém pusesse em sua boca. Porém há variáveis. Segundo alguns mitos, se semideuses consumissem em excesso explodiriam em chamas. Segundo a Mitologia grega era o alimento dos deuses olímpicos enquanto o néctar seria sua bebida, ambos tem fragrância e poderiam ser usados como perfume.
É natural que algumas histórias sejam contadas com ideias incrustadas nelas, mas a realidade é um tanto diferente. Expliquei que aquele era feito pelos mortais a dos deuses deve ser diferente, feito por eles. E nas voltas que o mundo dá, quando a gente vai crescendo vai descobrindo a diferença entre mitos e  realidade, coisas da vida meu amor.