segunda-feira, 26 de junho de 2017

Fogueira

As fogueiras eram usadas pelos primitivos como forma de se aquecer, cozinhar alimentos e se proteger das feras, nas antigas religiões eram usadas em celebração pelo solstício de verão na Europa, os cultos pagãs eram rituais de fertilidade, também haviam sacrifícios de animais para afastar a esterilidade de humanos e animais. 
Quando Isabel estava pra ter o João Batista usou uma fogueira pra anunciar a Maria sua prima, a chegada do que iria preparar o caminho do Salvador. Então o cristianismo fez o que sempre soube fazer de melhor, transformar festividades pagãs em religiosas. Em Portugal, as comemorações se estenderam também aos santos Antônio que nasceu em Portugal, mas morreu na Itália em 13 de junho de 1195, e a de São Pedro que ocorreu em 29 de junho.

Pula a fogueira Iaiá...

Com a colonização e evangelização dos índios e escravos do Brasil colonial, as festividades forma se ampliando, ganhando adeptos e hoje é consolidada com a maior, mais bela e mais animada festa que também comemora a fertilidade, a colheita e a chegada do inverno por aqui.
E nas voltas que o mundo dá, a nossa festa é acolhedora, animada, não precisa de convite, as pessoas chegam, se aninham na beirada da fogueira, pulam, viram compadres, danças um ritmo só nosso e é uma festa única no mundo. Feliz junho pra todo mundo.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Cheganças

Um dia a gente esquece a senha das coisas e elas ficam ali paradas, um dia a gente acha e elas chegam. E chegou o inverno frio e trazendo com ele os cheiros do São João, a saudade de outros tempos e as perspectivas de outras auroras. Impossível não lembrar da cada de tio Paizinho, das pamonhadas na casa da mãe. Aí a gente vai pra cozinha e perfuma a casa com canela, gengibre, milho verde e conta histórias na beira da fogueira.

O meu estandarte que a Terezinha fez ficou lindo 

E agora tem uma vizinha linda de pouco mais de três anos que vibra com as gatas e os cães daqui de casa, a Sara. E chegaram coisas boas, chuvinha fina, as crias crescendo, o mundo girando e a vida acontecendo. E nas voltas que o mundo dá, gosto tanto de cheganças que até o inverno é bem vindo promovendo narizes frios e abraços longos e apertados.