sexta-feira, 13 de março de 2015

Mulher

Dizem que esse é o mês das mulheres, que devemos lutar pelos nosso direitos. Essa história de luta é antiga, conquistamos muito, mas ainda faltam mais de oitenta anos para termos a igualdade de gêneros de verdade segundo especialistas. Uma das lutas mais importantes que devemos ter agora, é contra a ditadura dos padrões de beleza instituídos pela sociedade que tem causado muitas doenças, e morte, principalmente de meninas ainda adolescentes. Elas que não conseguem ser magas e lindas, passam por dietas rigorosas, desenvolvem anorexia, bulimia e outras tantas. Não percebem que ainda são escravizadas.
Eu, menina, tinha como heroína a Mulher Maravilha, e a linda atris que fazia o papel também chamava-se Linda. O que mais me chamava a atenção nela, era o avião invisível, a liberdade de uma amazona que ela tinha e, sobretudo, a força de uma mulher feminina que não precisava se masculinizar para ser ativista.


A maior transformação de uma mulher é quando ela se torna mãe, o corpo muda, a mente muda, nos tornamos mais corajosas, não uma Mulher Maravilha, mas uma mulher diferente. E que me perdoe as feministas radicais de plantão (se quiserem), mas não precisamos nos masculinizar para sermos feministas, gosto de mulheres com cara de mulher, cheirosa, depilada, bem cuidada, bonita do seu jeito. Precisamos primeiro nos libertar da alienação, das diferentes formas de escravidão que ainda existem, só então poderemos mudar o mundo.
E nas voltas que o mundo dá, a educação, inclusive para os nossos meninos é um dos passos mais significativos para a igualdade de gêneros. Portanto, meu feliz mulher para todas que acordam cedo, trabalham, cuidam, amam, amamentam, educam e mesmo assim são lindas.

2 comentários:

  1. Aaaaf, Ana! Esta sua reflexão deveria ser "obrigatória sem obrigatoriedade", posto que seria imposição, em todas as salas de aula do maternal ao pós doutorado; nos bares, estações de trens, metrôs, ônibus; nos placares eletrônicos dos estádios de futebol; em placas indicatórias seja lá do que for; lida nas missas e cultos quaisquer... Tudo isso vislumbrando a possibilidade de transformação na concepção de ver e ser mulher. Os parâmetros estão aí em seu post. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Lindo, linda! Creio que outra Linda fez A Mulher Biônica. Todas maravilhosas. As heroínas estão voltando. A Marvel lança as HQs, nossos velhos gibis, e em breve vão se tornar filmes, blockbusters na maioria dos casos. Mas sucesso mesmo são as nossas do dia a dia. Minha poeta pitonisa sabe disso e eu compartilho, curto! Parabéns!

    ResponderExcluir