sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Meu amigo Freud

A psicologia diz que para entender um adulto é preciso saber da sua infância, meu amigo Freud sabia disso como ninguém. Esse princípio se aplica aos peludos também. depois que meus filhos caninos chegaram minhas plantas foram dizimadas, esses dias resolvemos "reflorestar" os canteiros orientei eles, e por uns dias as plantinhas sobreviveram em paz, até que hoje tava tudo de raízes pro ar, e eles sabendo do que fizeram não vieram com o rabo abanando me dá bom dia. O Zeus tremia como se tivesse com frio e cara enfiada no chão, tava visivelmente com medo.

Paulo e Zeus (papo sério)

Fiquei triste, não pelas plantas, mas pela aflição que vi em seus olhos, pra quê tanto medo? Me sentei ao seu lado e conversei em tom calmo para que ele compreendesse que eu não estava chateada e o Paulo também. E logo, ele voltou a abanar a calda feliz. E nas voltas que o mundo dá, as plantinhas agora se limitam a vasos dentro de casa e na varanda, os temperos vão pra vasos na parede (ideia do Pedro) e o quintal volta a ser território dele, conquistado a patadas e funçanadas, quero infância feliz, seja para humanos ou para peludos. E Freud, o novo gatinho adotado ganhou um lar responsável.